Surge uma espécie de “super gonorreia” que se transmite também por sexo oral!

Apesar de estarmos em pleno século XXI, a gonorreia é das doenças sexualmente transmissíveis que mais gente afecta, com cerca de 78 milhões de pacientes contagiados por ano.

É provocada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, conhecida comummente como gonococo. Transmite-se através do contacto sexual, seja vaginal, rectal ou oral. O problema, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), reside no facto de a bactéria ser bastante inteligente – o suficiente para resistir a antibiótico. Assim, por vezes ela sofre uma mutação e transforma-se numa “super gonorreia”, para a qual ainda não existe sequer um tratamento…

De cada três pacientes que apresentam a doença, dois são homens, especialmente entre os 15 e os 24 anos de idade. Isto não significa que as mulheres não sejam contagiadas.

Agora, detectaram-se três casos, em França, Japão e Espanha, de uma nova variação da doença que simplesmente não responde aos medicamentos conhecidos para a tratar. Foi a própria OMS a alertar…

O problema pode ser maior nos países onde a qualidade de vida é, em geral, boa, e isto explica-se porque nestes locais há uma melhor detecção e são logo administrados os medicamentos para a combater, só que a bactéria é mais resistente.

Teodora Wi, médica oficial do departamento de reprodução humana da OMS, disse:

“As bactérias que causam a gonorreia são particularmente inteligentes; cada vez que utilizamos uma nova classe de antibióticos para tratar a infecção, as bactérias evoluem para resistir aos mesmos.”

Tradicionalmente, bastava um tratamento com antibióticos, relativamente simples, para combater a doença, mas agora as coisas mudaram. Em algum caso nem sequer existem sintomas; em outros, há secreções desagradáveis, ardor ao urinar e dor na parte inferior do abdómen.

Quando não é tratada devidamente, no caso das mulheres grávidas, pode ocasionar na cegueira ou mesmo morte do bebé, porque transmite-se da mãe para o filho por via intrauterina. Nos homens, em casos mais extremos, pode mesmo provocar esterilidade.

Em ambos os sexos, aumenta exponencialmente o risco de contrair VIH.

Protecção, pessoal!