Homem que desistiu do seu emprego para ser gigolô revela como é o mundo do sexo!

BETANO OFERTA 5€ GRÁTIS

Muita gente já pensou, em determinado momento da sua vida, numa possível mudança de carreira!

Nunca te imaginaste como uma estrela de rock, um jogador de poker profissional ou até um detective?! Pois bem, este homem desistiu do seu emprego para ser…gigolô!

A vida deste informático mudou drasticamente quando ele decidiu mudar do seu cargo como software developer e web designer para…gigolô!

John Oh explicou: “Comecei a trabalhar na indústria sexual por dinheiro, muito basicamente. Estava-me a faltar dinheiro e esta saída pareceu-me viável”.

“Gosto cada vez mais do que faço, odiava trabalhar no típico 9h-17h por isso o trabalho sexual assentou que nem uma luva.

Conheço pessoas interessantes e conecto-me com elas, faço uma diferença genuína na vida das pessoas – por poucas pessoas que sejam, foi algo que o mundo das IT nunca me permitiu fazer.

Sou bem pago e o trabalho não é monótono, por isso nunca me aborreço!”

John, de 45 anos de idade, também tem uma companheira mas afirma que ela está na boa com a profissão dele. Quando falou da sua primeira tarefa enquanto gigolô, ele disse que estava envolvido com um casal que estava mais nervoso do que ele próprio!

A verdade é que é essa falta de rotina que John acha excitante no seu emprego:

“Tu vais a um sítio onde as pessoas querem e precisam de ti, por isso não podes vir para este trabalho se gostas de rotinas…”

“Os momentos mais marcantes são aqueles onde eu tenho alguma conexão emocional com alguém a um nível muito grande!

Pode ser a primeira vez a fazer sexo por parte da cliente e eu tenho que perceber o que isso acarreta ou até mesmo as lágrimas e gritos de raiva de uma pessoa que descarregou tudo em mim por estar num mau relacionamento, que depois se transformaram em sorrisos e alegrias por ter tido alguém focado somente nela durante aquele período de tempo…”

De acordo com ele, a sua vida e trabalho não é, de todo, o que fazem querer parecer na televisão:

“Sou introvertido por natureza e, por isso, não sou aquele tipo de gigolô que é arrastado para festas selvagens! Mas gosto de pensar que a pessoa que precisa dos meus serviços pode confiar e estar à vontade comigo.

A minha experiência significa que sei alguns truques a nível físico que alguns homens não fazem e não sabem, mas isso é irrelevante se não consegues colocar uma pessoa à vontade e fazê-la sentir segura e longe de julgamentos para que ela possa relaxar e prosseguir com a sua sexualidade e a arte do seu corpo…”

Apesar dos prós, também existem alguns contras na profissão:

“As pessoas ainda julgam imenso o trabalho sexual – por vezes há momentos embaraçantes com a família e até com amigos por isso tens que estar preparado.

Para os homens – não pensem que uma pila grande e amar sexo chegam para ser gigolô – é preciso bem mais do que isso”.

Bela perspectiva!