Especialistas avisam: está a caminho um “armageddon ecológico”

Apesar de estarmos constantemente a queixar-nos das melgas e mosquitos, a verdade é que os insectos estão a extinguir-se mundialmente e isso pode ser fatal.

Há poucas coisas que nos irritam mais do que ser picados pelas melgas chatas que muitas das vezes estragam as nossas noites de sono mas a verdade é que elas são importantes. Elas e os insectos todos, pois sem eles as consequências podem ser letais…

2/3 de toda a vida na Terra é composta por insectos e, de acordo com investigadores europeus, desde há 25 anos que essa população tem diminuído de maneira alarmante.

Um professor da Universidade Sussex, Dave Goulson, disse que estamos a caminho de um verdadeiro “armageddon ecológico” provocado pela rápida extinção de insectos na Europa. E não é o único especialista a ter esta opinião.

Hans de Kroon, da Universidade Radboud (Holanda), dirigiu uma investigação com foco nos insectos voadores e constatou que o seu número diminuiu imenso nas grandes zonas da Europa, a um nível muito rápido.

O estudo contou com a ajuda de entomólogos (especialistas em insectos) que recolheram amostras de insectos desde 1989. Assim, conseguiram capturar 1,500 insectos voadores vivos de 63 reservas ecológicas.

As análises estatísticas mostraram que, num período de 27 anos, a população de bichos voadores reduziu em cerca de 76%.

A razão? Existem várias ideias por detrás, na verdade: as alterações climáticas, o uso excessivo de insecticidas, a falta de ervas que sirvam de alimento ou o excesso de outras espécies que devoram todas as anteriores.

Lynn Dicks, da Universidade de Anglia del Este, afirmou que a investigação é prova da preocupante situação em que vivemos. De acordo com ele, os insectos voadores (e não voadores) têm uma importante função para o meio ambiente, seja como polinizadores da vegetação, como alimento para outras espécies e até como predadores de outros insectos e pragas dos campos!

Se calhar devíamos regular o nosso uso de insecticidas…