Cientistas descobrem algo em Marte que não devia existir

Uma equipa de cientistas descobriu gelo enterrado perto do equador de Marte, numa região onde não era suposto haver água, de todo.

A equipa, liderada pelo doutor e investigador Jack Wilson da Universidade John Hopkins, fez esta bela descoberta depois de terem voltado a examinar imagens antigas dos arquivos da NASA.

A compreensão actual de Marte é baseada na ideia de a água não ser termodinamicamente estável a altitudes baixas. No entanto, esta nova descoberta pode mudar tudo…

As imagens arquivadas foram tiradas entre 2002 e 2009, graças a um espetrómetro de neutrões que se encontrava a bordo da nave 2001 Mars Odyssey.

Wilson e a sua equipa foram, de uma forma muito inteligente, capazes de reduzir o ‘ruído’ da imagem, conseguindo adquirir uma resolução fantástica para a conseguirem ver.

Com estas imagens, Wilson disse à NASA:

“Foi como se tivéssemos cortado a altitude orbital da nave espacial ao meio, dando-nos uma visão muito melhor do que estava a acontecer à superfície”.

Foram encontrados níveis surpreendentemente altos de hidrogénio em algumas zonas do equador. A latitudes elevadas, descobriu-se mesmo algum gelo enterrado.

Apesar do espetrómetro não conseguir detectar água directamente, pode medir neutrões que permitem que os cientistas possam medir a abundância de hidrogénio, indicando a presença de água e de outras substâncias produzidas pelo hidrogénio.

O excesso de hidrogénio evidente nesta área já foi previamente explicado como uma evidência de minerais hidratados.

A presença de gelo, no entanto, é um caso misterioso. Alguns cientistas afirmam que o gelo é uma mistura entre água no estado sólido com poeiras que pairaram continuamente na atmosfera, quando a inclinação axial de Marte era maior.

De forma interessante, esta descoberta pode trazer implicações cruciais para futuras expedições a Marte. Os astronautas podem utilizar estes recursos naturais em Marte!

Cada vez a ir mais longe…