Turista americano é morto numa ilha remota pelas setas de uma tribo indígena

Turista americano é morto numa ilha remota pelas setas de uma tribo indígena

Um turista foi mesmo assassinado com arco e flecha por uma tribo indígena que habita numa ilha remota protegida no meio do Oceano Índico. O americano, chamado John Allen Chau, tinha viajado até à Ilha Sentinela do Norte, uma das mais isoladas do mundo inteiro, com o intuito de converter as pessoas que lá viviam ao cristianismo.

O homem de 27 anos de idade pagou a pescadores para o ajudarem a chegar até à ilha e consta-se que foi assassinado pelos locais assim que chegou lá perto. Os indígenas da Ilha Sentinela do Norte são protegidos pela lei e é mesmo ilegal ir até lá, até porque eles têm a reputação de matar todos os que ousem fazê-lo.

Também é importante deixá-los isolados uma vez que eles podem deixar as pessoas mais susceptíveis a doenças. A polícia já deteve, até agora, 7 pessoas relacionadas a este caso, incluindo pessoas que ajudaram o homem a chegar até à ilha.

Já um porta-voz da International Christian Concern afirmou que estavam muito tristes por saberem que um dos seus missionários tinha sido assassinado por uma tribo indígena, tendo mandado os pêsames aos familiares e amigos de John.

Consta-se que existem cerca de 150 pessoas na Ilha Sentinela do Norte, sendo que todas elas são extremamente violentas, também devido ao pouco contacto que têm com o “mundo exterior”. Há filmagens de pessoas da tribo a disparar setas contra helicópteros que foram, sem querer, parar lá perto.

Medo…