Trabalhar horas extra pode promover a calvice, aponta um estudo

Trabalhar horas extra pode promover a calvice, aponta um estudo

O homens estão todos resignados por saberem que mais tarde ou mais cedo, vão acabar por ficar carecas mas existem homens a quem começa a cair o cabelo mais rápido do que outros, e se calhar o problema reside nas horas de trabalho a mais.

De acordo com um estudo realizado na Escola de Medicina da Universidade Sungkyunkwan em Seul, na Coreia do Sul, trabalhar horas extra pode mesmo ajudar bastante a promover a calvice. Fica a saber um bocadinho mais…

Um grupo de investigadores dirigidos por Kyung-Hun Son fizeram um estudo que relacionava as horas de trabalho com a perda de cabelo nos homens. Desde 2013, acompanharam 13,391 homens com idades compreendidas entre os 20 e os 39 anos de idade e acabaram por dividir os participantes em três grupos diferentes, dependendo das horas em que estes trabalhavam numa semana. Foram separados em: menos de 40 horas semanais, menos de 52 horas semanais e mais de 52 horas.

O estudo durou quatro anos e os especialistas tinham a ideia de que trabalhar mais tempo durante a semana provocava stress nos homens e que o stress, por sua vez, fazia desenvolver sintomas de calvice. E estavam certos: os resultados do estudo deram-lhes razão.

Do primeiro grupo que apenas trabalhava 40 horas ou menos, só 2% do mesmo sofreu com calvice e quanto aos que trabalhavam entre 40 a 52 horas por semana, constatou-se de que 3% ficou calvo. Na verdade, foi o último grupo a destacar-se neste sentido: aqueles que afirmaram trabalhar mais de 52 horas semanais foram os que mais sintomas de calvice apresentaram, sendo que cerca de 4% do grupo reportou sofrer com o problema.

Assim, ficou concluído que o stress das horas extra pode acelerar o processo de calvice, danificando os folículos e impedindo o seu crescimento.