Trabalhadora de laboratório admite ter inventado uma nova droga para tirar a tusa ao ex-namorado

Um ditado antigo diz que “a vingança é um prato que se serve frio”. E que o diga Alicia Parker, oriunda de Wilmington. A engenheira química de 31 anos de idade foi presa pelas autoridades depois de ter envenenado o seu ex-namorado, Brian Anderson, de 37 anos de idade.

Quando interrogada, ela admitiu ter dedicado os últimos cinco anos da sua vida a obter vingança contra ele, tendo exposto o seu plano maquiavélico. Eles trabalharam juntos na mesma empresa e namoraram durante mais de três anos, desde março de 2009 até julho de 2012.

Depois de a relação ter terminado devido a uma traição por parte dele (ele chegou a dormir com amigas dela), Alicia utilizou os seus conhecimentos sobre química para criar uma nova droga que causava disfunção eréctil. Depois de anos de trabalho e pesquisa, ela conseguiu criar um poderoso produto em formato de líquido, sem sabor e sem cor.

Em 2015, ela começou a dar a droga ao ex-namorado diariamente, colocando umas gotas do produto no seu café enquanto ele não via. De acordo com a vítima, a droga era extremamente eficiente e “cortou-lhe” as erecções por completo, mesmo com o uso de viagra.

O homem de 37 anos afirma que consultou vários especialistas durante os últimos dois anos até que um teste sanguíneo feito recentemente ter mostrado que ele estava a ser drogado.

Depois, foi aberta uma investigação para determinar a pessoa que o andou a drogar, que eventualmente levou a Alicia Parker, a sua ex-namorada. Em entrevista a uma rádio local, ele disse que viveu um inferno nos últimos dois anos e agradece por a ex-namorada ter sido presa:

“Ela arruinou a minha vida. O meu pénis foi obsoleto e inútil durante os últimos dois anos, o que me causou muito stress e me fez perder a confiança. Espero que ela pague por tudo o que fez”, diz.

Alicia Parker foi considerada culpada de 43 crimes e pode passar 110 anos na prisão, o que é praticamente prisão perpétua.

Ela está agora em liberdade condicional e o julgamento será em janeiro…

FONTE: World News