“A minha resolução para 2018 era não chupar mais pilas, mas às 00h15 já tinha uma na boca…”

 

É triste mas é verdade: Sheila Rodrigues, oriunda de Rio Tinto, diz que nunca mais vai celebrar nenhuma passagem de ano depois do que lhe aconteceu na transição de 2017 para 2018.

Sheila é uma verdadeira amante de sexo oral e como resolução para 2018, decidiu que queria deixar de mamar c*ralhos. Era esse o seu principal objectivo para o ano novo. Há quem queira perder peso, há quem queira viajar mas ela queria simplesmente deixar de chupar pixotas.

Assim, a jovem de 22 anos de idade prometeu a si própria que, quando desse a meia-noite e 2018 entrasse, nunca mas nunca mais faria sexo oral. Ela falou um bocado sobre a sua obsessão:

“Quando o meu namorado acabou comigo há cerca de 2 anos estive com imensos homens, imensos mesmo. F*di como se não houvesse amanhã. Foi incrível e desenvolvi um grande gosto por pila. Adorava chupá-las e dar prazer aos homens com a minha língua e boca”, explicou.

E foi mais longe: “As melhores noites são aquelas em que faço sexo oral duplo, porque ter duas pixotas na boca é qualquer coisa de especial“.

Infelizmente para Sheila, ela não conseguiu cumprir a promessa: 15 minutos depois da meia-noite, ela conseguiu falhar ao prometido depois de ter sugado a galga a um senegalês na casa de banho de um espaço nocturno em Ermesinde.

Ela explicou tudo: “Estava maluca com a festa de passagem de ano que estava a ter e de repente encontrei o Balalu Kanté, que está cá em Erasmus, alto e espadaúdo, simplesmente não consegui resistir. Trouxe-o até à casa de banho e mamei-o todo. Quase que lhe suguei a alma…”.

“Passados poucos minutos, tinha o l3itinho quentinho dele a descer-me pela garganta abaixo e apercebi-me que tinha quebrado a minha promessa para 2018. Que tristeza”, concluiu.

Mais sorte para o próximo ano, Sheila…

Nota: Este é um artigo de carácter humorístico/satírico com o objectivo de fazer rir. A informação aqui veiculada não corresponde à realidade. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.