Já fizeste o #10YearsChallenge? Atenção, podes ter caído na "teia" montada pelo Facebook...

Já fizeste o #10YearsChallenge? Atenção, podes ter caído na “teia” montada pelo Facebook…

Começámos 2019 com uma série de desafios virais. Primeiramente surgiu o “Bird Box Challenge”, que já foi várias vezes mencionado por aqui. O desafio consistia em recriar cenas do filme protagonizado por Sandra Bullock, mais propriamente ao vendares os olhos e tentares fazer tarefas do quotidiano assim. A verdade é que esta brincadeira ainda resultou em tragédia, pelo menos em alguns casos.

O outro, mais recente, foi o #10YearsChallenge, um desafio aparentemente inofensivo que consiste em mostrar nas redes sociais uma foto nossa de 2009 e uma de 2019 para que todos os nossos amigos apreciem o quão mudámos no espaço de 10 anos. Qualquer um pode pensar que isto é apenas uma moda mas uma investigadora na área da tecnologia fez-nos ver que talvez este desafio não seja assim tão inofensivo como parece…

De acordo com um artigo da revista Wired, que citou um ‘tweet’ de Kate O’Neil, a investigadora em questão, este desafio pode estar mesmo a esconder um algoritmo de reconhecimento facial que poderá eventualmente estar a proporcionar ao Facebook e Instagram dados pessoais e de reconhecimento de idade de cada utilizador.

“Eu há 10 anos: provavelmente tinha alinhado com o desafio do envelhecimento no Facebook e Instagram;
Eu hoje: pondero na maneira como esta informação pode ser utilizada treinar algoritmos de reconhecimento facial e de progressão e reconhecimento de idade”
, é o que se pode ler no ‘tweet’.

Será de loucos? Pelos vistos, não. Ainda que alguns utilizadores tenham assinalado que estes dados já estavam disponíveis nas diversas redes sociais há muitos anos, a ideia é de que estas fotografias podem mesmo servir para reconhecer padrões de envelhecimento através do reconhecimento facial.

De recordar que ainda há relativamente pouco tempo, o Facebook esteve envolvido num escândalo por ter vendido a informação de milhares de utilizadores a empresas externas por meio de algoritmos que combinavam dados específicos do utilizador como idade, posição económica, etc…

Não é assim tão descabido quanto isso.