Estudo comprova que as mulheres são biologicamente mais fortes do que os homens

Estudo comprova que as mulheres são biologicamente mais fortes do que os homens

Acontece que um recente estudo veio permitir constatar que as mulheres são biologicamente mais fortes do que os homens. Apesar de a “história” nos ter ensinado que os homens tomam a dianteira no que toca a levantar pesos, cortar árvores ou vencer lutas em bares, pelos vistos as coisas não são tão lineares assim.

O estudo realizado pela publicação da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (PNAS) revelou mesmo que as mulheres têm maior probabilidade de sobreviver num caso de vida ou de morte e/ou situação de perigo do que os homens.

Os investigadores chegaram a esta conclusão depois de terem comparado as taxas de mortalidade dos homens e das mulheres em situações como a fome, epidemias e escravatura…

As duas únicas excepções foram as plantações de escravos no século XIX em Trinidad e na Libéria, sendo que entre 1813 e 1816, a esperança de média de vida era de 15.18 anos para os homens e 13.21 para as mulheres. Tirando isso, as mulheres provaram viver mais do que os homens em situações de verdadeiro perigo e aflição.

Em outros exemplos, a fome que se fez sentir na Ucrânia em 1933, na Irlanda em 1845-1849, na Suécia em 1772/1773 e as epidemias que assolaram a Islândia em 1846-1882 têm todas um denominador comum: em todas estas crises, as mulheres continuaram a viver mais tempo do que os homens.

E esta?