Empresa debaixo de fogo depois de ter oferecido bónus às mulheres que iam de saia curta para o trabalho


 

Ora aí está uma jogada que tem sido apelidada de “nojenta” e de “sexista” nas redes sociais. A Tatprof está neste momento debaixo de fogo por supostamente ter sido oferecido um bónus monetário às mulheres da empresa em questão se estas fossem para o trabalho de saia curta.

A empresa russa lançou uma espécie de campanha de “maratona feminina”, onde as empregadas podiam ganhar um bónus acima do seu salário comum se levassem determinadas roupas vestidas para o trabalho…

Para as mulheres reclamarem este “extra”, teriam que levar vestidos ou saias que não tivessem mais do que cinco centímetros desde o joelho, e tinham de enviar uma prova fotográfica de como estavam a usar tudo isso no emprego.

Este esquema bizarro deixou muitas mulheres furiosas no Twitter, sendo que muitas criticaram esta espécie de “modelo de negócio”. Foi também através da rede social que as pessoas ficaram a saber desta espécie de concurso a decorrer na empresa em questão.

A verdade é que em conversa com uma estação de rádio russa, Govorit Moskva, um porta-voz da Tatprof, afirmou que a campanha não era sexista de todo e revelou que cerca de 60 mulheres já participaram. E tu, o que achas?