Empresa aluga maridos e mulheres para serviços domésticos

Empresa aluga maridos e mulheres para serviços domésticos

“O meu marido chama-se Barry. É um rapaz alegre, com sotaque sul-africano, braços musculados e cabelo ao estilo de rockstar de banda dos anos 90. Ela custa-me cerca de 50 euros por hora”, disse Becky, moradora em Londres. Pois é, acontece que esse casamento é uma fachada e a inglesa é, na verdade, uma das muitas clientes da empresa Hire a Hubby, que aluga maridos…

Por marido, neste caso, leia-se uma espécie de “faz-tudo” em termos de tarefas domésticas: seja pregar um quadro na parede da sala ou cortar a relva do quintal. A companhia tem clientes homens e mulheres e oferece até maridos do sexo feminino. Todos trabalham de uniforme.

Becky alega que paga pelo serviço do esposo diário porque trabalha muito e tem muitas atividades sociais: “Se eu podia fazer a maior parte das tarefas? Claro! Não sou idiota nenhuma”, disse em entrevista ao Sun.

O conceito surgiu na Austrália, em 1994. O criador, Brendan Green, estava a realizar pequenos trabalhos em casa quando uma amiga da esposa apareceu e lhe perguntou: “Posso contratar o seu marido?”

O que dizer deste conceito?