Avôzinho foi libertado da prisão porque era “demasiado velho para matar” e quando saiu…voltou a matar


 

Com os seus 77 anos de idade, as autoridades nunca pensariam que este homem continuasse a constituir uma ameaça para o resto da sociedade mas enganaram-se e graças a isso, também tiveram a sua pequena parte de culpa por mais um assassinato.

Albert Flick vive em Maine, Estados Unidos, e em 1979 foi sentenciado a 25 anos de prisão depois de ter esfaqueado a sua esposa até à morte. Cumpriu a sua pena completa e foi libertado em 2004, aos 62 anos de idade…

Acontece que em 2010, Flick voltou a ser preso por ter agredido uma mulher. Regressou à prisão mas em 2014, foi libertado. O juiz responsável pelo caso explicou que com aquela idade, o homem já tinha passado demasiado tempo na prisão e já não constituía portanto um perigo para a sociedade. A verdade é que se enganou e isso custou uma vida.

Em 2018, Albert começou a assediar Kymberley Dobbie, uma mulher de 48 anos de idade, mães de gémeos de 11 anos. Ele apaixonou-se por Kymberley mas um dia descobriu que ela ia mudar de cidade e basicamente, a sua paixão transformou-se em obsessão – o homem achou que se não a podia ter, então só havia uma opção, que era matá-la.

Arranjou uma faca e acabou por apunhalá-la numa lavandaria, à frente dos filhos dela. O local contava com câmaras de segurança e assim, as provas do crime estavam todas registadas e foram utilizadas contra ele em tribunal, mais uma vez.

Pelo delito de homicídio, a sua sentença não podia ser menos do que 25 anos e assim, o mais provável é que ele passe o resto dos seus dias na prisão.

Que história…